PROGRAMA 2019

DIA 25 JULHO

11h00

PREÇO: € 2
JARDINS DA QUINTA DAS LÁGRIMAS
DURAÇÃO: cerca de 1 hora;
LOTAÇÃO: limitada
PÚBLICO ALVO: Dos 4 aos 13 anos;
Repetição do evento de dia 23 de Julho

“Brites Josefa Beatriz Sophia
– 4 mulheres que
iluminaram Portugal

Animação para a infância, inspirado na vida de quatro portuguesas extraordinárias pela Camaleão.

17h00

LABORATÓRIO CHÍMICO DO MUSEU DA CIÊNCIA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA
Aberto todos os dias das 10H00 às 19H00.

PALESTRA

 “A Cor e a Composição material dos objectos” 

POR FRANCISCO GIL

A cor de um objecto depende da luz com que é iluminado, da sua composição material e do sistema de detecção da luz que difunde ou emite.
Para descodificar os segredos que um objecto encerra, é necessário identificar e caracterizar o objecto em termos materiais, de modo controlado e calibrado. Para este fim é necessário utilizar diversas técnicas científicas associadas a estudos de ordem documental e estética.
Nesta apresentação são discutidas várias contribuições científicas para o estudo de objectos de valor patrimonial.
Francisco Paulo de Sá Campos Gil é Doutorado em Física pela UC, é Professor Auxiliar no DF-UC e membro do Centro de Física da UC e da UI&D Química-Física Molecular do DQ-UC.
Desenvolve investigação interdisciplinar na área do Património Cultural, em parceria com especialistas de outras áreas e com outras Instituições de Ensino Superior e Museus.

Orienta trabalhos de Mestrado e Doutoramento, coordenou o Mestrado em Conservação e Restauro da FCTUC e é vice-coordenador do Mestrado em Património Cultural e Museologia da FLUC.

18h00

MUSEU DA CIÊNCIA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA 

VISITA ORIENTADA À EXPOSIÇÃO 

“Segredos da luz e da matéria”

Uma vez que a luz é o meio mais importante de que dispomos para conhecer o mundo, convidamos a visitar uma das exposições permanentes do Museu – “Segredos da Luz e da Matéria” que procura dar a conhecer os fenómenos da luz e da sua interação com a matéria.
O Museu da Ciência encontra-se instalado nos edifícios de matriz Jesuíta e Pombalina da Universidade de Coimbra e integra o património classificado pela UNESCO como património mundial, em 2013. Do seu acervo fazem parte as mais antigas coleções portuguesas de história natural e importantes coleções de instrumentos pedagógicos e científicos que refletem a evolução do ensino na Universidade de Coimbra e a sua influência em Portugal e no mundo.

21h00

PREÇO: € 20
ANFITEATRO COLINA DE CAMÕES 

FA_0000s_0003_25 Julho Foto_ALMA_NUESTRA

“Reflexos Latinos”

Alma Nuestra

Salvador Sobral, voz
Victor Zamora, piano
Nelson Cascais, contrabaixo
André Sousa Machado, bateria

Alma Nuestra, a banda criada por dois amigos de longa data – Salvador Sobral e Victor Zamora. O quarteto regressa às bem conhecidas e intemporais canções de Cuba, Argentina e de outras terras sul americanas reinventando-as e tornando-as únicas e pessoais.

Salvador Sobral vive a música de perto desde cedo e logo percebeu que a música seria o seu caminho. No ano de 2014 ingressou numa das mais prestigiadas escolas de música em Barcelona – Taller de Musics. Em 2016 lança o seu primeiro álbum a solo “Excuse Me”, uma co-produção musical com o pianista Júlio Resende e com Leonardo Aldrey, disco este em que a grande influência é o jazz. 2017 é o ano da viragem, quando vence o Festival da Eurovisão que lhe abre portas para o mundo. Em 2019 Salvador Sobral edita o seu segundo trabalho a solo – Paris, Lisboa – e estreia-se nos palcos dos Coliseus de Lisboa e Porto para dois concertos de consagração.

Victor Zamora nasceu a 14 de Novembro de 1973 em Cuba. Cresceu rodeado de ritmos latinos e cedo percebeu que seria este o caminho que escolhera fazer a nível profissional. Estudou música na EPIA, em Santa Clara. No final de 1998 mudou-se para Portugal. Em 2002 começou a tocar no Hotel Ritz Four Seasons com um trio de jazz e assim, pelo virtuosismo e pela entrega, profissional e pessoal, tornou-se rapidamente um dos pianistas mais requisitados, tendo partilhado os palcos com os mais renomados artistas nacionais e internacionais.

Nelson Cascais estudou na Escola de Jazz do Hot Clube de Portugal e no Conservatório Nacional de Lisboa. Em 1994, como finalista do curso de jazz do HCP, representou Portugal no encontro anual da International Association of Schools of Jazz, em Nova Iorque. Em 1995 inicia uma activa carreira como sideman. Actuou com algumas das mais importantes figuras do jazz, tais como Rick Margitza, Jerome Richardson, Benny Lackner, Perico Sambeat, Bernardo Sassetti, Maria João, Stefano D’Anna, Llibert Fortuny, Nuno Ferreira, Jorge Reis, Laurent Filipe, Ivan Padduart, Antonio Faraó, John Ellis, Aaron Goldberg, Markku Ounaskari, Kari ikonen, Jorge Pardo, Jarmo Savolainen, Stefanno D’Anna, Maria Schneider, Carlos Martins, Mario Laginha, entre outros. É hoje um dos nomes mais sonantes no cenário do jazz nacional. Além de contrabaixista dotado de um som extremamente individual, de um apurado sentido de interacção e de uma invulgar versatilidade, Nelson Cascais é igualmente um dos mais distintos e prolíficos compositores do novo jazz português.

André Sousa Machado iniciou os seus estudos de bateria em 1980 na Escola de jazz do Hot Clube de Portugal. Em 1985 frequentou a Academia dos Amadores de Música. Participou em diversos workshops dirigidos e leccionados por músicos de renome internacional. Ao longo da sua carreira acompanhou diversos músicos conhecidos do panorama jazzístico internacional, tais como Tete Montoliú, Steve Slagle, Phil Markowitz, Conrad Herwig, Andy Shepard, Karl Berger, Benny Golson, Akiko Pavolka, Matt Pavolka, mas também nacionais de onde se podem destacar, António Pinho Vargas, Mário Laginha, Bernardo Sassetti, Carlos Barreto, Bernardo Moreira, Paula Oliveira, Marta Hugon, Pedro Moreira, André Fernandes, Jorge Reis. Sendo um músico versátil, acompanhou diferentes artistas da música portuguesa. Foi baterista do cantor/compositor Fausto, tendo também acompanhado outros artistas como Mafalda Veiga, Vitorino, Sérgio Godinho e Brigada Vítor Jara. A sua actividade tem-se dividido também como professor de bateria, tendo leccionado em diversas escolas de música. Dá aulas desde 2008 na Escola Superior de Música de Lisboa.

Co-produção do Festival QuebraJazz e da Fundação Inês de Castro

22h30

ENTRADA LIVRE
HOTEL QUINTA DAS LÁGRIMAS
INSCRIÇÕES E INFORMAÇÕES:
festivaldasartes2019@gmail.com

 

“O Homem: sonho de uma sombra ou a visão trágica da vida antes da Metafísica” 

POR MARIA DO CÉU FIALHO

Vivemos ainda, inclusive no domínio da linguagem, sob a égide da Metafísica da Luz. Todavia, para o homem grego, até ao séc. IV a. C., luz e trevas constituíam componentes determinantes da sua existência, faziam parte da sua natureza, num universo em que a entidade luminosa e a tenebrosa possuíam conteúdo e densidade e se entrelaçavam, como constituintes da vida desse ser que habitava a fronteira entre uma e outra – a superfície a terra.