18 de Julho

Serviço Educativo

11h00

PREÇO: 3€
JARDINS DA QUINTA DAS LÁGRIMAS

DURAÇÃO: 45 minutos
LOTAÇÃO: limitada
Inscrições: faqj2023@gmail.com

“Flor – e as terras para lá do horizonte”

Espetáculo para a infância com Natália Ferraz

Produção Camaleão

Repete dia 20 de Julho

Espetáculo interativo para o início do desenvolvimento da inteligência emocional, da empatia, da aprendizagem.

Camaleão é uma Associação Cultural sem fins lucrativos e foi constituída em 1999 por profissionais de diversas áreas artísticas, da prática (representação, fotografia, escrita, música) e da teoria (da sociologia do espetáculo aos estudos de teatro). Desde a sua criação produziu e apresentou espetáculos de teatro, multimédia, música e poesia, realizou exposições e instalações.

Fotografia por Amandio Bastos

Ciclo da Música

21h00

PREÇO: 17,50€
ANFITEATRO COLINA DE CAMÕES, QUINTA DAS LÁGRIMAS

Sexteto Bernardo Moreira

“Entre Paredes”  Apresentação do novo disco

Bernardo Moreira Contrabaixo
João Moreira Trompete
Tomás Marques Saxofone Alto e Soprano
Ricardo J. Dias Piano
Mário Delgado Guitarra
Joel Silva Bateria

A música é de Carlos Paredes, os arranjos do contrabaixista Bernardo Moreira. Gravado em Coimbra, no Convento São Francisco, em 2020, “Entre Paredes” é uma emocionante homenagem à música portuguesa com o nome de Carlos Paredes. 19 anos depois de ter lançado “Ao Paredes Confesso” (2002), Bernardo Moreira edita “Entre Paredes” com um sexteto de luxo, e em registo de conclusão, a forma como tem sido ouvinte da obra do guitarrista Carlos Paredes.

“Tive umas incursões pela música popular, pelo fado de Coimbra, e comecei a sentir que a minha maneira de ouvir o Carlos Paredes tinha mudado”, disse Bernardo Moreira, 58 anos, nascido numa família com longa ligação ao jazz. Esta cidade, onde o contrabaixista tem ligações familiares, e onde Carlos Paredes nasceu a 14 de fevereiro de 1925, está também impregnada no novo disco. “A minha vontade era de escolher músicos todos eles com experiências também na música popular portuguesa e o nosso esforço era ir ao encontro do Carlos Paredes em vez de obrigar o Carlos Paredes a vir ter, na altura, com um sexteto de jazz. Acho que este disco é muito diferente do outro, porque tem esse caminho inverso em que somos nós que vamos para esse território”.

O contrabaixista trabalhou três anos na produção musical do álbum, num processo de escuta renovada, apropriação, despojamento, maturação e arranjos, e com este sexteto de luxo transporta-nos para uma emocionante homenagem a Carlos Paredes, símbolo ímpar da cultura portuguesa e da cidade de Coimbra.

BILHETES