25 de julho, sexta feira

20h30 – Hotel Quinta das Lágrimas

Preço: 50 €
Chef Albano Lourenço
Chef Miguel Laffan
Chef Rui Martins

 

 

 

 

 

 

 

 

ALBANO LOURENÇO

Albano LourençoAlbano Lourenço, Chefe Executivo da Quinta das Lágrimas, é um perfeito exemplo de amor pela arte gastronómica, o que lhe foi reconhecido em 2004 com a obtenção da estrela Michelin no restaurante Arcadas e com a distinção de “Figura do Ano” em 2005 pela InterMagazine, a revista referência do sector gastronómico em Portugal.

Natural de Coimbra, Albano cedo rumou ao Algarve, onde ganhou experiência cozinhando em alguns dos melhores restaurantes de Portugal, nomeadamente o Ermitage e o São Gabriel (ambos com uma estrela Michelin). Neste último, Albano Lourenço contribuiu decisivamente para a obtenção da estrela Michelin enquanto Chefe Assistente e mais tarde Chefe Executivo.

Saudoso da terra onde nasceu, Albano decidiu aceitar o convite para chefiar o projecto gastronómico da Quinta das Lágrimas. A sua motivação é a de fazer da cidade dos Amores e dos Doutores uma referência gastronómica em Portugal.

Para tal conta com a sua criatividade, com uma equipa de jovens certezas, com uma aposta nos melhores ingredientes (alguns produzidos biologicamente na Quinta) e com os trezentos anos de tradição culinária da Quinta das Lágrimas. Mais que um grande cozinheiro, Albano Lourenço é alguém que acredita que a sua profissão é dignificante e criativa.

Por isso está a fazer da Quinta das Lágrimas não só um templo da gastronomia mas também um local onde a formação de jovens cozinheiros é uma prioridade. Albano Lourenço para quem, como disse Brillat Savarin, “A descoberta de um novo prato traz mais felicidade à humanidade que a descoberta de uma estrela”, é um chefe diferente. Senhor de arte na cozinha e carisma na sala, Albano Lourenço é sem dúvida um dos grandes Chefes de Portugal.

MIGUEL LAFFAN

Miguel LaffanMiguel Laffan faz parte da nova geração de Chef’s que estão a criar um novo caminho gastronómico para Portugal, a sua cozinha de inspiração mediterrânica ganhou nova inquietação com a sua curiosidade na cozinha luso-asiática e do médio Oriente.

Desta panóplia de influências só poderia resultar uma cozinha rica, fresca e sedutora, transportando-nos para paisagens longínquas e de sensações exterocetivas.

Foi no mais recente Resort de luxo do Alentejo, o L’AND Vineyards, queLaffan encontrou o seu “terroir”, e sobre as estrelas do céuAlentejano este jovem Cozinheiro imagina e cria os seus pratos de excepção.

O Chef tem uma abordagem muito proativa dentro da sua cozinha, acredita que só através de uma pesquisa insaciável, da determinação e do rigor é que se atinge uma cozinha de excelência. Para ele é tão importante a frescura de um alimento como a frescura mental de quem o transforma, este equilíbrio é a sua grande referência, sendo a partir desta filosofia que cria equipas de sucesso.

No seu curriculum de aprendizagem constam algumas das referências que já provaram ser“escolas”de sucesso, formando muitos dos melhores chef´sactuais, nomeadamente,

  • Fortaleza do Guincho com a cozinha do Antoine Westermann 3 * Michelin (relais Châteaux),
  • Le-jardin-des-remparts,com a cozinha de Roland Chanliuad 1* MichelinemBeune/França,
  • Le Clous de la violette, cozinha de Jean-Marc-Banzo 2* Michelin Aix-en-Provence –França.

Chefiou equipas em hotéis de referência tais como:

  • Hotel Casa Velha do Palheiro no Funchal (Relais&Châteaux)
  • Hotel Quinta da Casa Branca,uma boutique Hotel com assinatura da Small Luxury Hotels, Ilha da Madeira.
  • L’AND Vineyard’s  Small Luxury Hotels ( wine resort 50 best of travel and leisure, Condenast)Montemor- o-Novo

Em 20 de Novembro de 2013 conquista, para o restaurante L’And,  a primeira Estrela Michelin da sua carreira e do Alentejo.

 

RUI MARTINS

Foto Rui MartinsChefe de Cozinha na Quinta Del Rei, em Vizela, o minhoto Rui Martins junta no curriculum actividades diversas é formador na escola profissional de Esposende, possui um projecto denominado chefe por uma causa. Alem de estes projectos tem sempre em mente algo mais, porque quieto é que não é capaz de ficar, e quer saber de tudo no que toca a gastronomias. Por isso, a cozinha é trabalho e prazer, e nunca se cansa. Fez cursos de Cozinha Tradicional Portuguesa, também é certo que os fez de Cozinha Vegetariana, por exemplo, mas só isso não chega. Trabalho, rigor e perseverança é o meu lema.

Em 2012, classificou-se em 2º lugar no Concurso Chefe Cozinheiro do Ano, e foi um dos três finalistas do Top Chef . Venceu a etapa Norte/Centro do cca 2014. Finalista do chefe cozinheiro do ano 2014.

Rui Martins assume-se como apaixonado pelo seu trabalho. O seu Prato Preferido um bom arroz de pica no chão feito com o melhor galo de capoeira. A inspiração para cozinhar vem das minhas vivências do dia a dia, das cores e dos cheiros que me rodeiam e das viagens que faço. Mas acima de tudo da minha região o Minho onde existe um sem fim de produtos a descobri. Por gostar de comer, experimentar criar. Por tudo o que via a minha avó fazer e o gosto com que o fazia. Soube que queria ser cozinheiro profissional desde sempre, pois o gosto já o tinha, a vontade também, faltava o saber. O saber que se vai adquirindo e aprendendo. Quem não vive para servir, não serve para viver. Isto para mim é cozinha.

No futuro vejo-me a fazer o mesmo que faço hoje: servir os outros. Servir com outra maturidade, que se vai adquirindo ao longo do tempo. Ter um espaço só meu, mas principalmente criar um prato que fique na memória gustativa de quem o prove.