Património nas mãos da juventude

27 de Julho, domingo

21h00 – Anfiteatro Colina de Camões

 

Estágio Gulbenkian Orquestra

Preço: 15€; 10€ (Amigos do Festival das Artes, seniores, estudantes, desempregados e grupos)

CLAUDE DEBUSSY (1862 – 1918)

Prélude à l’après-midi d’un faune

 

ANTONÍN DVOŘÁK (1841 – 1904)

Sinfonia nº9, Novo Mundo

Adagio. Allegro molto
Largo
Molto vivace
Allegro com fuoco

PIOTR ILITCH TCHAIKOVSKY (1840 – 1893)

Abertura Fantasia Romeu e Julieta

Inspirado no poema homónimo de Stephane Mallarmé, o Prélude à l’aprés-midi d’un faune é um poema sinfónico composto em 1894 e foi o primeiro grande sucesso de Claude Debussy. A obra evoca um entardecer estival, em que um fauno se cansa de perseguir as provocantes ninfas, acabando por adormecer. O erotismo e a languidez do poema encontram a expressão perfeita nas harmonias fluidas e melodias encantatórias do compositor francês.

No Outono de 1892 Antonín Dvořák chegou a Nova Iorque, cujo conservatório nacional de música fora convidado a dirigir. Cheio de curiosidade, pesquisou as raízes musicais norte-americanas e usou-as na sua 9ª sinfonia. Esboçada no final de 1892, a sinfonia foi terminada na Primavera seguinte. A obra evoca a viagem física, emocional e espiritual do compositor checo aos Estado Unidos da América: a intensidade das descobertas que por lá fez e a saudade da sua terra natal.

A Abertura Fantasia Romeu e Julieta é uma das mais pungentes e célebres obras musicais escritas a partir do drama de Shakespeare. Composta em 1869, em apenas seis semanas, foi sujeita a várias revisões e definitivamente concluída em 1880.  A Forma e o conteúdo completam-se na perfeição: forma sonata com dois temas contrastantes – o primeiro representando a oposição entre as duas famílias rivais e o segundo evocando o  casal enamorado.

O Estágio Gulbenkian para Orquestra, sob a direcção artística da maestrina Joana Carneiro, é um projecto que pretende promover a experiência orquestral de elevado nível técnico-artístico entre a comunidade de jovens instrumentistas portugueses. Cerca de 80 músicos de talento excepcional, com idades compreendidas entre os 17 e os 25 anos, são escolhidos através de rigorosas provas de selecção realizadas anualmente, preparando obras do repertório sinfónico sob a orientação de tutores especializados e de maestros com alargada experiência neste domínio. O presente concerto, com obras chave do universo orquestral, é o resultado de mais uma edição deste projecto, o qual teve início em Julho de 2013.

Aclamada pelas suas actuações vibrantes numa grande variedade de estilos musicais, Joana Carneiro tem-se notabilizado como uma das mais destacadas maestrinas da actualidade. Natural de Lisboa, Joana Carneiro é formada em direcção de orquestra pela Academia Nacional Superior de Orquestra de Lisboa, concluiu o mestrado na Northwestern University (Chicago) e prosseguiu os estudos de doutoramento na Universidade de Michigan. Em Janeiro de 2009 foi nomeada Directora Musical da Orquestra Sinfónica de Berkeley, sucedendo a Kent Nagano, sendo que esta colaboração irá prolongar-se até 2016-2017. É também Maestrina Convidada da Orquestra Gulbenkian, com a qual trabalha pelo menos quatro semanas em cada temporada. Mais recentemente foi nomeada Directora Artística do projecto Estágio Gulbenkian para Orquestra. A carreira de Joana Carneiro como maestrina convidada tem-na levado a todo o mundo: Suécia, Alemanha, Holanda, Espanha, China (Hong-Kong), Reino Unido, Irlanda, Austrália, Nova Zelândia, França e, sobretudo, Estados Unidos da América. Em Março de 2004, foi condecorada pelo então Presidente da República, Dr. Jorge Sampaio, com a Comenda da Ordem do Infante Dom Henrique. Em Janeiro de 2014 foi nomeada Maestrina Titular da Orquestra Sinfónica Portuguesa.