Ciclo da Música

 

20 de Julho, 5.ª feira

21:00 – Anfiteatro Colina de Camões, Quinta das Lágrimas
Custo: € 15

 

“Metamorfoses Sinfónicas”

Orquestra Filarmónica Portuguesa

 

Osvaldo Ferreira, maestro

 

Paul Hindemith (1895 – 1963)

Metamorfoses Sinfónicas sobre temas de Carl Maria von Weber (1943)

  1. Allegro
  2. Turandot, Scherzo
  3. Andantino
  4. Marsch

 

Sergei Rachmaninov (1873 – 1943)  

Sinfonia N.º 2 em Mi menor, Op. 27 (1907)

  1. Largo – allegro moderato
  2. Allegro molto
  3. Adagio
  4. Allegro Vivace

 

 

NOTAS AO PROGRAMA

 

Paul Hindemith (1895 – 1963)

Metamorfoses Sinfónicas sobre temas de Carl Maria von Weber (1943)

 

Depois de uma passagem pela Suíça, Paul Hindemith mudou-se definitivamente para os EUA em 1940, durante a 2ª Guerra Mundial. Fascinado pela dança, Hindemith foi desafiado a escrever música para um bailado sobre temas de Carl Maria von Weber, mas perdeu o entusiasmo ao confrontar-se com o coreógrafo, cujas concepções artísticas diferiam muito das suas. Pouco tempo depois, Hindemith retomou os esboços musicais e concluiu as Metamorfoses sinfónicas sobre temas de Carl Maria von Weber, estreadas em 1944 pela Orquestra Filarmónica de Nova Iorque.

 

Sergei Rachmaninov (1873 – 1943)    

Sinfonia N.º 2 em Mi menor, Op. 27 (1907)

 

Composta entre Outubro de 1906 e Abril de 1907, a 2ª sinfonia de Rachmaninov marca uma clara transição na vida e criatividade do compositor, pianista e maestro russo. Depois de um alargado período depressivo, do qual saiu com a ajuda de um médico psiquiatra, Rachmaninov compôs o 2º concerto para piano, com o qual obteve um sucesso estrondoso. A sua 2ª sinfonia surge nesta fulgurante vaga criativa, afirmando definitivamente a postura artística do grande músico russo. Num período histórico que conheceu diversas e inovadoras estéticas musicais, a música de Rachmaninov inscreve-se numa tradição romântica russa, lírica e arrebatadora.

 

 

BIOGRAFIAS

 

Orquestra Filarmónica Portuguesa

A Orquestra Filarmónica Portuguesa foi fundada em Maio de 2016 por Osvaldo Ferreira e Augusto Trindade. A orquestra integra um conjunto de músicos de elevado padrão técnico e artístico – muitos são artistas premiados em concursos nacionais e internacionais, tendo nomeadamente colaborado com a Orquestra Jovem da União Europeia. Conta também com músicos estrangeiros residentes em Portugal, que se juntaram neste projecto de criação de uma orquestra que fosse uma referência e símbolo de qualidade, actuando em todo o território nacional. A orquestra produz concertos sinfónicos, ópera, e no futuro irá criar ligações com outros géneros artísticos, numa procura de desenvolvimento de eventos e espectáculos criativos.

A Orquestra Filarmónica Portuguesa apresentou o seu concerto inaugural no dia 7 de Maio de 2016 no Europarque, tendo ainda actuado no Centro Cultural do Arade, no Algarve e no Festival Cistermúsica de Alcobaça (ainda com a designação de Orquestra Euro-Atlântica). A reacção do público, da crítica especializada e dos músicos de todo o país, foi unânime e elegeu este projecto como um dos mais importantes dos últimos anos no nosso país, pela sua qualidade e originalidade.

A Orquestra Filarmónica Portuguesa é um projecto de dimensão nacional sob a direcção artística de Osvaldo Ferreira, actualmente um dos mais representativos maestros nacionais.

 

Osvaldo Ferreira

Osvaldo Ferreira realizou um mestrado em direcção de orquestra em Chicago e é pós-graduado pelo Conservatório de São Petersburgo, na classe de Ilya Mussin. Foi laureado em 1999 no Concurso Sergei Prokofiev, na Rússia. Recebeu o “Fellowship” do Aspen Music Festival nos EUA, onde frequentou a American Conductors Academy. Foi assistente de Claudio Abbado em Salzburgo e Berlim. Estudou ainda com Jorma Panula e David Zinman e foi bolseiro do Ministério da Cultura de Portugal e da Fundação Calouste Gulbenkian. Gravou vários CD com obras de autores portugueses para a Editora Numérica e um CD duplo com Sinfonias de Mozart.
Actual director artístico da Orquestra Filarmónica Portuguesa e da Sociedade de Concertos de Brasília, Osvaldo Ferreira foi recentemente director musical e regente titular da Orquestra Sinfônica do Paraná e director da Oficina de Música de Curitiba. Em Portugal, foi director e administrador do Teatro Municipal de Faro, director artístico do Festival Internacional de Música do Algarve e da Orquestra do Algarve, com a qual se apresentou em diversas cidades europeias. Da sua vasta carreira destaca-se o trabalho à frente de importantes orquestras internacionais, percurso que continua na temporada de 2017/2018. Na qualidade de maestro convidado, irá apresentar-se com a Orquestra Filarmónica de S. Petersburgo, Orquestra Gulbenkian, Orquestra Filarmónica de Qingdao (China), Orquestra Sinfónica de Nuremberga, Orquestra Sinfónica da Venezuela (onde gravará novo CD) e com a Orquestra do Estado Russo em Moscovo, entre outras. Irá ainda ministrar masterclasses de direcção de orquestra no Conservatório de S. Petersburgo, Conservatório do Luxemburgo e Conservatório de Música de Castelo Branco.